Turismo em Brasília – Que tal conhecer a Capital de bike?

31 jan, 2015 7 Comments

Quando a gente mora em uma cidade, os programas que todos os turistas querem fazer quando vem visitar são sempre aqueles que a gente acha os mais chatos, certo? Errado!

capital-de-bike-22

A delícia de fazer turismo na própria cidade é que você precisa ser criativo para que os lugares do dia a dia ganhem um colorido especial. E em Brasília nada mais colorido, criativo e gostoso que um belo passeio pela Capital de bike para conhecer suas belezas.

A convite da Camelo Bike Tour fomos conhecer a Brasília proposta por Graco Santos. 

Graco é arquiteto, urbanista, especialista em Gestão de Negócios em Turismo e pós-graduando em Direito urbanístico e Regulação ambiental, além de guia credenciado na Embratur! Ele é o idealizador do projeto Camelo Bike Tour e é ele que nos leva de camelo por circuitos inusitados, nos mostrando Brasília sob um olhar arquitetônico e nos contando curiosidades e fatos sobre a história da construção da capital.

Para quem ainda não conhece, a Camelo Bike Tour é uma empresa brasiliense e surgiu de um desejo antigo de apresentar Brasília de um modo original. Para realizar essa ideia, a Camelo Bike Tour resolveu propor a bicicleta como estratégia para estimular a reflexão sobre a importância da cidade, levando turistas e brasilienses pelos caminhos da nossa história.

A empresa oferece três circuitos diferentes: O Eixo Monumental, as Escalas de Lúcio e a Orla do Lago. Nós embarcamos no Circuito Eixo Monumental, com direito a um vislumbre das Escalas de Lúcio.

capital-de-bike-3

A ideia é, aproveitando as ciclovias, pedalar e reconhecer a cidade. Durante o passeio há momentos em que você desce da bicicleta e escuta explicações interessantes, sobre arte, história, arquitetura, urbanismo, enfim, cultura de Brasília, do Brasil. Afinal estamos numa cidade única!

Durante uma tarde de domingo, nosso passeio teve início ao lado da Torre de Tv para um briefing com os participantes, montagem das bikes e para nos conhecermos um pouco. Bicicletas distribuídas, capacetes a postos, água e todo material que precisaríamos no caminho acondicionado, hora de subir na magrela e atravessar o eixo monumental rumo à Torre.

Primeira parada, aos pés do letreiro Eu <3 Brasília, Graco conta um pouco da história da construção da cidade e explica como será nosso passeio. Seguimos animados pela expectativa de pedalar por lugares que normalmente não passamos durante a semana e que só vemos da janela do carro.

capital-de-bike-2

No caminho para o Setor Comercial Sul, uma paradinha no Hotel Nacional para descobrir algumas histórias fascinantes do lugar. Pilotis, Burle Marx, vãos e a galeria do hotel que já foi um grande centro comercial foram os assuntos abordados.

 

De repente nos vimos circulando em meio aos prédios do Setor Comercial Sul sem ninguém por perto! Um lugar por onde passam 60 mil pessoas diariamente, simplesmente descansando. Paramos em frente a um painel de Athos Bulcão. Ouvimos as explicações da arquitetura para essa área da cidade. Entendemos melhor a escala gregária de Brasília. Descemos e nos deparamos com duas joias – os edifícios gêmeos de Lelé *.

Gêmeo Verde de Lelé

Gêmeo Verde de Lelé

Para continuar, cruzamos a rua de volta e passamos pelo lendário Conic, um setor comercial tão cheio de histórias e contrastes. Dizem que é um dos lugares mais democráticos de Brasília – ali, lado a lado, convivem uma igreja evangélica enorme e um sex shop. Tem gente que considera o Conic o centro de Brasília, o pouco de tipicamente urbano que aqui existe 🙂

Atravessamos por cima da plataforma superior da rodoviária para chegar até o parapeito do outro lado e ter uma vista privilegiada da Esplanada dos Ministérios. Um dos pontos altos do passeio, com certeza, foi a hora que Graco nos mostrou fotos antigas da época da construção e pudemos ver o passado e o presente ao mesmo tempo!! Em um segundo vimos a evolução de 50 anos.

 

Seguimos para a praça da República e dali para a Catedral e mais um momento de emoção para mim. Havia anos eu não descia ali e já não me lembrava da beleza do lugar. É apaixonante, deslumbrante. Os vitrais, a luz, os anjos, tudo te arrebata e te sensibiliza. Momento “um viva para Niemeyer”!

capital-de-bike-13

Para descer a Esplanada pedalamos ao lado dos ministérios até o Palácio do Itamaraty. Esse é meu palácio favorito aqui :mrgreen: e fiquei ainda mais enlouquecida por ele quando atravessamos o prédio pela parte de trás – não há paredes, é possível ver a escada “flutuando” ao fundo em meio aos jardins de Burle Marx. Deslumbrante! E ainda aqui na área do Palácio, há uma curiosidade histórica que poucos conhecem – uma peça de granito enorme, que serviu de marco dos limites de terras portuguesas na América. Essa rocha veio trazida de Portugal em meados do século XVIII. Bem impressionante.

Palácio do Itamaraty

Palácio do Itamaraty

A descida clássica do Congresso Nacional até a Praça dos Três Poderes é empolgante em cima da bicicleta. Na Praça temos muito para ver: o Palácio do Supremo Tribunal Federal, o Pombal, o Panteão da Pátria, a Pira, a Bandeira, o Palácio do Planalto, os Candangos. Nos concentramos nas curiosidades – o marco do tombamento de Brasília como Patrimônio Cultural da Humanidade e o Centro de Atendimento ao Turista que tomou o lugar da antiga Casa de Chá da Praça.

 

Era hora de voltar e a partir daqui até nosso ponto de encontro não havia mais pontos de parada, apenas teríamos o pôr-do-sol para apreciar.

capital-de-bike-23

Fica nossa dica de mais um passeio turístico criativo e muito divertido para se fazer em Brasília, esteja você a passeio ou seja você um morador. Vale muito a pena!

  • Serviço – Camelo Bike Tour

Os circuitos variam de R$ 90 a R$ 150, incluindo garrafa d’água e barra de cereal.

Os circuitos tem duração de 3h e 5h aproximadamente.

Pergunte se tem desconto caso você leve sua bike :mrgreen:

Telefone: (61) 8412-4758

* Lelé foi como ficou conhecido João Figueiras Lima, o arquiteto que Lúcio Costa disse querer ter sido.

Entre os protagonistas da arquitetura moderna do Brasil, Lelé é o arquiteto que leva mais longe as experiências de industrialização de componentes na construção civil – sobretudo em argamassa armada, mesmo diante das condições precárias do país”, diz ensaio crítico de sua obra feita pela Biblioteca Itaú Cultural.

#ap

Leia mais sobre Capital de Bike no Ensaios:

 

 

Siga o Ensaios de Viagem no Instagram: @ensaiosdeviagem

E curta a nossa fanpage no Facebook: facebook.com/ensaiosdeviagem

 

 

Camilla Kafino

7 Comments

  1. Responder

    Laira

    19 fev, 2015

    Oi Camilla!

    Eu A-DO-REI seu relato!!! E fiquei com vontade mesmo de pegar um desses pacotes para turista, e ver a cidade com um novo olhar, o olhar de quem planeja com cuidado e carinho roteiros diferenciados como esses!

    Bjão,
    Laira

    Responder

    fevereiro 19th, 2015
    Camilla

    Oi Laira!!

    que legal que você gostou. Eu amei demais o passeio. Me senti no melhor tipo de turismo de todos – aqueles que a gente descobre por meio do olhar do outro e ainda desfruta da endorfina da bike 🙂
    Super recomendo.

    um beijo querida!
    Camilla

    Responder

  2. Responder

    Paula

    2 fev, 2015

    Tenho paixão pelos desdobramentos arquitetônicos da cidade, especialmente pelo fator inovador das obras. Legal essa possibilidade de lançar um olhar sobre tudo, enquanto se passeia.

    Responder

    fevereiro 3rd, 2015
    Camilla

    Oi Paula,

    Brasília é mesmo incrível! adoro esses passeios de descoberta da cidade. Cada nova informação fico extasiada e mais empolgada por morar aqui. E fico muito feliz quando também amam a minha cidade 🙂
    um beijo querida e obrigada por mais uma visita!

    Camilla

    Responder

LEAVE A COMMENT

RELATED POSTS