Não viaje a Paris!

23 mar, 2015 11 Comments

Nem a Londres ou Nova York, tampouco faça as malas e parta para a praia.

Se você não gosta de nenhum desses lugares, não caia na maior besteira que uma pessoa pode fazer na vida – fazer algo porque os outros fazem! Não viaje a Paris!

paris-1

Dia desses vi uma pessoa que havia visitado Paris e quase fiquei com dó da criatura. Imagine o estereótipo francês e entenderá a cena. Tudo de ruim se passou com ela, a vi reclamar da língua porque ninguém falava inglês, a vi reclamar da falta de educação das pessoas, a vi reclamar da comida, do clima, do hotel, de tudo! De repente me veio uma revelação – essa pessoa não queria estar em Paris.

paris-2

Provavelmente ela se deixou levar pela manada humana que visita a Europa e vai a Paris (isso não é pejorativo, eu amo Paris, ok?!), mas se esqueceu de verificar suas próprias preferências. Claro que uma cidade como Paris teria algo que agradasse a tal pessoa, acontece que talvez ela ainda não soubesse disso e o fato de sequer se identificar com a língua já colocou uma enorme barreira entre ambas.

Ou talvez não haja mesmo nada em Paris que ela suporte! O que também é válido.

A dica é – descubra-se e só então viaje!

Vale também viajar para se descobrir, claro. Porque quando a gente tem alguma ideia sobre quem realmente somos, tudo fica muito mais simples.

É quando você vai saber se você gosta de estar perdido numa língua totalmente estranha que não consiga nem ler as placas porque o alfabeto é diferente, e vai poder se questionar então por que gastar uma viagem indo a NYC? Jogue-se em Honk Kong!

E se tudo o que você ama na vida é sol e areia branca, vá desbravar sua própria praia deserta pelo mundo, mas não viaje a Paris 😉

Ensaio escrito em dez/2014 dentro do trem de Barcelona à Sevilha.

 

Confira aqui um relato bem interessante sobre Paris pelos olhos da Cynara.

 

 

 

Camilla Kafino

11 Comments

  1. Responder

    Andre Trindade da Silva

    12 abr, 2016

    Concordo totalmente. Estava na Patagônia, encontrei por lá por acaso um casal de amigos, eu estava em Calafatte e eles em Ushuaia e me pediram sugestão de El Calafatte e El Chatén, então eu disse que era ótimo, que valia muito à pena. Eles detestaram. Quando chegaram por lá enviaram uma mensagem dizendo que odiaram o lugar, Nem respondi. Até hoje não falam comigo. Ou seja, casal nóia.

    Responder

    abril 15th, 2016
    Camilla

    Oi Andre!
    pois é, algumas pessoas tem padrões mais fechados para as coisas e simplesmente não conseguem se abrir ou mesmo tentar dar uma chance para o que difere delas. Isso não é necessariamente ruim, mas limita muito a pessoa, e quando falamos de viagem então, limita demais as experiências possíveis!
    Muito obrigada pela visita e um abraço,

    Camila

    Responder

  2. Responder

    Michael

    5 ago, 2015

    Sou apaixonado por praias, natureza e lugares tranquilos, mas Paris me fascina bastante. É um lugar que gosto muito e sempre tive boas experiências ao visitar a cidade. O que acontece hoje é uma glamour excessivo que se coloca em cima de Paris, mas as pessoas esquecem que se trata de uma das cidades mais visitadas do mundo. Isso assusta e muito quem tá acostumado a ver a cidade como ela é nos filmes. É como você escreveu: “descubra primeiro, depois viaje”.

    Responder

    agosto 6th, 2015
    Camilla

    Olá Michael,

    eu penso como você, existe muita “ostentação” por alguns destinos e infelizmente Paris é um deles. Mas o importante disso para mim é a descoberta. Precisei viajar um pouco para poder descobrir o que me agrada mais e assim direcionar meus destinos =)

    Muito obrigada pela visita, volte sempre.

    um beijo,
    Camilla

    Responder

  3. Responder

    Cássio

    27 abr, 2015

    Minhas experiências em Paris e interior da França sempre foram as melhores possíveis. Eu sei o básico de Francês, por sorte mas vejo que mesmo aqueles que se esforçam por cumprimentar e aprender as palavras básicas são bem tratados, mesmo em inglês.
    Dai, não entendo quem vai a Paris e não se encanta…
    Na certa escolheu a época errada, o hotel errado, a expectativa errada…

    Não tem como…

    Responder

    abril 27th, 2015
    Camilla

    oi Cássio,
    sou da mesma opinião! sempre fui muito bem tratada na França, mas não sei dizer se é o meu francês macarrônico que ajuda ou a forma de fazer. Quando viajo estou sempre muito receptiva e me esforço ao máximo para compreender o estilo cultural diferente. Fato é que, para pessoas como nós, Paris é mesmo encantadora 🙂

    um beijo,

    Camilla

    Responder

  4. Responder

    Natália M Gastão - Ziga da Zuca

    23 mar, 2015

    Adorei Cá!
    Totalmente de acordo!!! Tenho uma amiga que me pede o tempo todo uma sugestão para a lua de mel dela, aí eu falo da Croácia, falo da Patagônia, de Fernando de Noronha e pra todos ela faz cara feia e sempre volta a Cancun. Aí depois de muito ela insistir eu disse: “Você quer Cancun! Você sabe o que quer, não precisa de sugestão!”. Muitas vezes as pessoas ignoram o que elas sentem e depois voltam cheios de mimimi dos lugares. Tenho preguiça disso! Muita!!!
    Beijão!

    Responder

    março 23rd, 2015
    Camilla

    Oi Natália,
    também conheço muita gente assim. Apesar do importante ser viajar, o mais importante é viajar para onde a gente quer ir, né?!
    Seguimos aproveitando.
    Obrigada pela visita e um beijo enormer.

    Camilla

    Responder

    novembro 10th, 2015
    Camilla

    Ao viajar devemos fugir dos estereótipos… destinos, ao menos para mim, têm significados que vão além da foto da agência de viagem… gosto, por exemplo, de lugares que passaram por guerra. Quando falo isso para as pessoas, já me mandam para Serra Leoa, Nigéria… tadinhos, mal sabem o quão fascinante são os Balcãs… para viajar é preciso primeiro livrar-se dos preconceitos… caso contrário, “il ne sera pas bon memê à Paris”

    Responder

    novembro 15th, 2015
    Camilla

    É isso mesmo, Danilo!!
    Um beijo e obrigada pela visita,

    Camilla

    Responder

LEAVE A COMMENT

RELATED POSTS